99 99107-5401 / 98117-0791

Economia

Home > Economia > Opção pelo gás natural é retrocesso…

Opção pelo gás natural é retrocesso para o Brasil, diz Julia Fonteles

 

Com a abertura do mercado de gás natural anunciada esta semana, o governo Bolsonaro promete fomentar a competição no setor energético, abaixar o preço de energia para os consumidores e gerar empregos. Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, o preço da energia pode diminuir em 40% nos próximos dois anos. “Um choque de energia barata é tudo que todos sonham,” afirmou o ministro.

Desde o desenvolvimento do pré-sal, a promessa do crescimento de gás natural como parte da matriz energética brasileira tem dominado a discussão no setor. Presente em grande parte dos países desenvolvidos, o gás natural é considerado o combustível fóssil mais limpo de todos. Ele emite 45% menos CO2 que o carvão e 30% menos que o petróleo. O produto compõe a maioria da matriz energética dos Estados Unidos e boa parte da matriz europeia.

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

A perspectiva de construir uma rede de gás natural no Brasil, porém, vem acompanhada de desafios. Em termos de recuperação econômica, é verdade que pode ser um catalisador para estimular o investimento e o consumo, trazendo um aumento na taxa de crescimento do PIB. Reduzir o preço da energia também é uma vantagem tremenda. O desenvolvimento da indústria do gás natural, inclusive, contribuiu para tirar os Estados Unidos da crise de 2008. A indústria gerou 2,8 milhões de empregos (dados de 2012), favorecendo a retomada do crescimento do PIB americano, além de reduzir a emissão total de CO2 no país.

Na época, o presidente Obama incentivou a produção de gás natural por representar uma espécie de combustível transitório (bridge fuel em inglês). Era uma alternativa que iria relativamente diminuir a emissão de CO2 dos EUA sem aumentar o preço da energia, até que outras fontes de energia limpa e renovável se tornassem mais desenvolvidas e acessíveis. Os Estados Unidos também investiram em gasodutos espalhados pelo país inteiro para facilitar o acesso a energia oriunda do gás natural.

A diferença de 2008 para o cenário atual é que as demais fontes de energia limpa já atingiram preços competitivos. E torna-se perigoso apostar em uma receita que funcionou 10 anos atrás. Enquanto a maioria dos países está migrando do processo transitório de gás natural para as renováveis, o Brasil mais uma vez se mostra atrasado em comparação a tendências globais.

Além de não ter uma infraestrutura completa de gasodutos no interior do país, a matriz energética brasileira já é considerada limpa para padrões globais. Sua abundância em recursos naturais como acesso à água, vento e sol permitem a adoção de fontes de energia 100% renovável. O investimento em um mercado de gás natural a essa altura é considerado antiquado pela maioria dos cientistas climáticos.

 

A empresa de energia americana Xcel anunciou, no ano passado, seu plano ambicioso de fornecer energia 100% limpa até 2050 e diminuir a sua emissão de CO2 em 80% até 2030. Em entrevista a Bill Loveless, do podcast Columbia Energy Exchange, o CEO da Xcel, Ben Fowke, afirma que o gás natural foi um recurso transitório importante para assegurar uma certa estabilidade no preço de energia sem prejudicar o consumidor. Segundo ele, o barateamento das tecnologias 100% sustentáveis obtido hoje não necessariamente justifica insistir em novos investimentos na área de gás natural. É preciso confiar no desenvolvimento tecnológico e acreditar que opções de energia limpa se tornarão mais comuns e acessíveis.

Com a pressão de ambientalistas e da comunidade científica em acelerar a transformação energética, o gás natural é uma forma das empresas petroleiraspermanecerem no mercado. Em termos de investimento a longo prazo e em preparo de infraestrutura, no entanto, o Brasil se equivoca na opção pelo gás natural. Investimentos em fontes de energia menos poluentes se encaixam mais nas tendências energéticas globais e gerariam um crescimento econômico mais expressivo a longo prazo. Há motivos para otimismo em relação às tecnologias que estão por vir e em suas capacidades de reverter o efeito poluidor dos combustíveis fósseis. É do interesse de todos que isso aconteça.

FONTE:https://www.poder360.com.br/opiniao/economia/opcao-pelo-gas-natural-e-retrocesso-para-o-brasil-diz-julia-fonteles/

 



Visualizado 121 vezes.